Meu perfil

BRASIL, Centro-Oeste, BRASILIA, Vila Planalto, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, Portuguese, Arte e cultura, Casa e jardim, Pescar, escrever
Outro - Outro

Foto de Roberto Carvalho da Costa.

Dezembro Azul  - Toque da Sanfona 

-------  Não tem funga-meu-nego, não. É no dedo, mesmo. Sou nordestino, talvez a última mostra da espécie homem com H - agá maiusculo. Ano passado, meu médico alertou - "Daqui a seis meses o senhor precisa fazer exames de próstota". Encolhi-me na cadeira, e ele explicou - "Exame físico, com o dedo", deixou claro. Voltei pra casa, apreensivo, calculando - seis meses? Mas, é a vida, né – fazer o que? Já está no fim de 2015, eu continuo avaliando a recomendação,  preparando-me psicologicamente para o desfecho fatal do exame. Quando no consultório, pude observar dois pares de luvas pendurados na parede - um par em pelicula fina, outro de couro grosso rugado de tanto uso. Perguntei ao doutor sobre a utilidade das luvas e ele - "A de película macia é de pacientes de planos de sáude, a de couro é do SUS", explicou o clínico. Desde então, não consigo dormir direito - meu plano de saúde é o SUS. Vendo os dedos do médico espalhados na mesa, conclui que não é nada festivo o que me aguarda nesse exame. Toda vez que ligam do consultório me corre um frio na espinha. A migos meus otimistas, levam o exame na brincadeira – “Quem passa pelo ‘toque da sanfona’, tanto gosta que manda flores ao médico”. E dpois, uma vezinha só – em sigilo de quatro paredes? “Não pode é se acostumar, ficar fazendo exames que os médicos têm o que fazer”, dizem alguns. Nordestino arretado, levo à sério meus principios – porém, a necessidade faz a ocasião - mais vale escapar fedendo do que morrer cheiroso, diz a sabedoria.

(Baseado na vida real, este texto é ficção – Crônica).  Os exames de próstotas são necessários para a saúde dos homens.   

Roberto Carvalho, jornalista

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 20h22 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Foto de Roberto Carvalho da Costa.

Incautos Viventes

Incautos Viventes

De lacrais e lacaios  - Títulos de cidadania

Tudo é uma questão de concepção, época - motivações de quem outorga comendas honoríficas, ou títulos de cidadanias. Para que, e por que? Os meios, intermédios e os fins. alguns títulos são concedidos não por méritos, mas por compensação de favores, ou por outras causas menos nobres, escusas. É o  pode pelo poder – em terra de ninguém – Brasil tupiniquim.

---   Minha toxina venal aplicada na "molera" de incautos viventes.

Roberto Carvalho, jornalisita e escritor

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 18h04 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Foto de Roberto Carvalho da Costa.

Como se destrói uma Nação  - (parte I)

Todo cidadão – imbecil ou não – eleitor tem direito (dever) de votar em quem quer que seja. Entretanto, é preciso entender, ter consciência de que, decisão errada, voto em bandidos tem consequencias danosas que atingem não somente a si mesmo idiota, mas a milhões de outras pessoas que pensam e rejeitam os descaminhos não votando em bandidos contumazes. De forma nenhuma cabe creditar erros, corrupção, incompetencia dos govranantes à Democracia. Aliás é errado dizer que existe Democracia no Brasil. Existe regime democrático, o que é diferente de Democradia. No conceito lato - Democracia é um governo do povo para o povo em que, este povo exerça cidadania, justiça social em suas formas amplas e universais. No Brasil o eleitor é obrigado a votar (o voto é obrigatório) - como a maioria da população não tem consciência política, vota por esmolas em troca de favores. Daí, falsos bandidos são eleitos e reeleitos com a finalidade de formar quadrilhas para roubar os cofres públiicos, o erário da Nação que nunca vai para frente com esses bandidos no poder. Os escândalos - Mnsalão, Correios, Petrolão, Petrobrás, BNDES - este a ser investigado -, Pedaladas Fiscais, são apenas alguns desvios de dinheiros praticados por esse governo petista. As quadrilhas podem agir porque faz parte da Democraia corromper, roubar, traficar influências - institucionalizar ideologias de domínio do poder a qualquer custo? Pelos meus parcos entendimentos, os preceitos democráticos não preconizam esses tipos de condutas de diregentes eleitos a cagos públicos para trabalharem pelo e para o povo. Os eleitores que votaram no que está aí não devem eximir-se da culpa do passo errado que deram, nem acusar o acaso pelas consequencias de suas esccolhas. O expediente de nunca assumir a própria incompetência, imputar culpas de erros a opositores, e mesmo, ao além ou a subtefugios outros é coisa da bandidagem que está no poder. Pior, usa a camuflagem Democracia para justificar seus atos de corrupção e malversão das prerrogativas que os leitores lhes confiaram nas urnas.

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 10h06 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Foto de Roberto Carvalho da Costa.

Como se Destrói uma Nação -  (Parte II)

 

O eleitor que votou por esmolas, ou por fanatismo ideolóogico - acreditou em alguma coisa - não deve igualar-se ao candidato que elegera, mas assumir seu erro que prejudica milhões de compatriotas no Brasil inteiro. Pricipalmente, redimir-se da insanidade e, em eleições futuras, corrigir nas urnas os rumos sociopolíticos do País. Ninguém neste País reconhece o próprio erro, nem assume que, de certa maneira é burro, ou no mínimo, precisa refletir sobre suas atitudes, comportamento anticidadão, ética e moral. Alguns argumentam - ah! isso é culltural. Portanto, natural - inversão de valores: quem rouba é prestigiado, aquele que cultiva a moral, ética, honestidade é considerado idiota, insignificante socialmente. Este é o Brasil que vivenciamos - é correto? Não tem como se dizer que o que degrada o País é obra do acaso. Quem esta no lema do barco tem que assumir os erros. Um Brasil potencialmente rico não se acaba sem ninguém "meter" a mão em suas finanças - e, o governo que está aí fez isso muito bem: consegiu destruir o País. Quando se fala governo: é o conjunto de dirigentes políticos que empregam a ideologia de posse do poder como propriedade particular de exploração financeira. Boa parte apropriando-se do dinheiro que vem dos impostos, do sacrifício da população Brasileira. O País está com as finanças arruinadas - é culpa de sacis, alienigenas ou de quem está na direção, que deveria cuidar dos destinos do Brasil?

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 09h53 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Foto de Roberto Carvalho da Costa.

Bater em latas evita eclipse queimar plantas  

Crendice antiga, eclipse queimar plantas. Natural essa credulidade - brasileiro acredita até em conversa de políticos. E não adianta, os tempos modernos não suplantam os costumes arraigados de nossa gente. Misticismo, transcendência atraem a atenção e interesse ao desconhecido. Atesto que as crendices mais bizarras que vi no Nordeste – e não faz muito tempo – moradores de periferias e favelas com garrafas pet cheias de água em cima do medidor de luz para economizar no consumo de energia. No alto da vivência, dona Estelina Benfaseja moradora do Risoleta Neves, em Teresina, testemunha que garrafa dágua no medidor economiza energia elétrica. “Na época, o bairro inteiro era branco de garrafas dáguas em cima dos medidores”, lembra Benfaseja. E lamenta “Não boto agora porque caiu de moda, ninguém tá usando mais, só eu dá piada nas ruas”, recorda. No interior do Piauí – Alto Alegre – povoado entre Correntes e Teresina, um restaurante na margem da estrada ostentava penduradas no teto fileiras de sacos plásticos transparentes cheios de água. Estranhei o inusitado, e curioso perguntei ao garçom que tipo de simpatia era aquela, ele – “É para espantar as moscas”, disse convicto. Sem acreditar no garsom esboço um incrédulo sorriso – “Afugenta mesmo, moscas?”. O garçom gesticula “Não fica uma”, sacode a cabeça confiante. Nada mais perguntei, mas firmei convicção de que se era verdade que os insetos afugentavam-se daquele ambiente com sacos dáguas talvez fosse por medo de se afogar. Saí dali com a cena na cabeça e a quem conto o episódio duvida da estória. Apenas que, no exercício da dúvida, o mais sensato seria precaver-se de certos fenômenos visíveis e invisíveis. Para o eclipse não queimar plantas, bater fervorosamente em latas, panelas – cuidados para não amassar nem furar os vasos de cozinhar.

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 13h37 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

Brasileiro é masoquista?....

Analisando a situação do País – e, não se sabe aonde poderá chegar nesse ritmo de degradação socioeconômica – com esse desgoverno incompetente, salta lembrar a Graciliano Ramos: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte”, disse o romancista alagoano. Se fosse hoje, diria ele – o brasileiro é, por natureza, masoquista. Tem prazer em sofrer – dos cercas de 98 milhões eleitores habilitados a votar, 58,5 milhões, ou 40% da população votou no sofrimento. Eu que sempre fui e sou favorável ao regime parlamentarista de governo em que o primeiro-ministro chefe de governo, sempre que não cumpre seu programa apresentado ao parlamento é substituído, perde o cargo – lamento ter que suportar a incompetência desse governo petista da Dilma Rousseff por mais quatro anos, sem poder demitir os ladrões que dão prejuízo a população e ao País.   

Roberto Carvalho, jornalista

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 13h13 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

Redução da Maioridade Penal

É interessante, o debate sobre a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Entretanto, é preciso refletir sobre que tipo de sociedade construímos - estamos construindo. Principalmente, qual a forma de distribuição de renda feita no país ao longos dos séculos? Educação, saúde - cidadania oferecida aos cidadãos para que se possa cobrar dos delinquentes juvenis direitos, obrigações civis e penais. A situação é comovente, mesmo revoltante mas não é certeza que enchendo cadeias de menores criminosos vai diminuir os índices de violência alarmantes.

Deve-se considerar que nos países onde a menoridade penal inicia aos 12 anos de idade, ou menos, as sociedades têm bom padrão de vida, educação estruturada. No Brasil, ao votar em políticos corruptos mantêm-se o sistema desigual de distribuição das riquezas nacionais. O resultado é a degradação social – a violência é apenas consequência do modelo que o país adota para a sua população. Claro que o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, com regime permissivo contribui para a impunidade de menores abrangidos por esse Estatuto.

Incentiva às práticas infracionais, aos crimes graves cometidos por menores sem perspectivas de melhores condições de vida. Contudo, é necessário encontrar outras alternativas que não o sistema carcerário já superlotado de criminosos. Para melhor entender o problema, é preciso conviver com as degradantes situações desses jovens. Em sua maioria, de famílias desestruturadas, destruídas. Não é, certamente, com esmolas como o Bolsa Família que o governo vai resolver os problemas da violência infanto-juvenil no Brasil.

As instituições e autoridades da área, em gabinetes acarpetados, não usam os serviços públicos, nem conhecem as periferias dos grandes centros urbanos. Índices, relatórios oficiais – gigantesca burocracia toca com a barriga um problema que, de certa forma não atinge as classe favorecidas no poder. Quem mais sofre com a violência é a população mais pobre, os próprios menores que se matam, morrem em luta por drogas, entre outros crimes.

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 12h04 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

Sistema Carcerário Brasileiro

Indústria de formar criminosos   ----    Os custos para manter um preso encarcerado passam de R$ 3.000,00 reais mensais pagos pelos cofres públicos. Enquanto a população carcerária cresce de forma exponencial - os governos não dão conta de atender com novos presídios a crescente demanda por vagas nas cadeias no Brasil. As cadeias do sistema carcerário parecem mais campos de concentração - boa parte dos presos morrem nas celas - os apenados não são recuperados para voltar para a vida em sociedade.  Ao contrário, os presídios no Brasil se transformaram em escolas do crime organizado - a superlotação é apenas um dos problemas que afetam os presos nas cadeias brasileiras. Reduzir a população carcerária? Como? Saltar os presos que praticaram crimes não hediondos, infrações leves, crimes de menos gravidades? Se os apenas não foram recuperados para conviver em sociedade - claro que vão continuar pior na vida de crimes. A prova está aí, a maioria dos crimes que são praticados na ruas atualmente é praticada por bandidos que tem várias passagens por cadeias e presídios. Não precisa ser especialista no assunto para saber que o problema não é apenas reduzir a população carcerária, mas construir presídios dignos de seres humanos. Assim dar qualidade digna de vida cidadã, recuperar o preso para ao cumprir sua pena voltar ao seio familiar, ao convívio social. Mas, para as autoridades responsáveis, o melhor exemplo de carceragem é o presídio de Pedrinhas no Maranhão. Ali, os presos vivem amontoados como bichos se matando em rebeliões - muitos fogem das celas. Os que ficam no cárcere estão condenados a doenças graves, não há como voltar para a vida normal. Belo exemplo, Pedrinhas -  a redução da população carcerária é feita pelos próprios presos que, apinhados uns em cima dos outros, se matam para abrir espaços e poder respirar. Quantos bilhões de reais seriam necessários para construir e oferecer novos presídios modernos, cadeias de segurança e menos desumanas que atendam a demanda carcerária no Brasil? Que governo investiria em presídios que nada dar de ibope junto ao público eleitor? São perguntas sem respostas - ao menos daqui a duzentos anos - o sistema carcerário brasileiro continuará campo de concentração. Pior, indústria de formar criminosos. 

Roberto Carvalho, jornalista

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 21h13 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

Banco do Brasil – Controlado por ratos  

O Banco do Brasil, instituição financeiria centenária, está nas mãos do PT que fez do melhor banco do Mundo um balcão de negócios para atender os interesses do governo. O banco virou uma banca de venda de produtos bancários – mas nem todos os clientes podem consumir esses produtos ofericidos (empurrados) nos correntistas. Neste modelo, o BB trata seus clientes de forma discriminada - clientes estilos, prime, juridicos, pessoas físicas, ouros, pratas têm atendimento especial.

O restante, a escumalha que sofre em filas de agências e terminais de atendimento BB são ignorados. Clientes de bom saldos bancários, movimentação em aplicações e ouutros aplicativos financeiros usam perfil diferenciados de tratamento. O saldo bancário é determina o tipo de atendidmento - vip, prime, e outros - em que os clientes são recebidos com cafezinhos, ganham prêmios.

Nós-outros, sem volumoso saldo na canta ficam enganchados logo na porta de enetrada da agência. Se consguir entrar, amarga filas quilométricas sem ter a quem recorrer - se reclamr é posto para fora da agência. Nos terminais de atendimento, raramente há serviços disponíveis - e, tem vezes que é necessário um funcionário para resolver certos casos de clientes. Como? Os funcionário estão todos ocupados vendendo produtos - oferecendo empréstimo, financiamento, seguro, plano de saúde, cobrando dívidas, empurrando portifólios de produtos nos clientes prime, ouro, vip, platina e outros. Diariamente, a meta do BB é cumprir metas - que nuncna são cumpridas - porque, a meta deste mês tem que ser maior do que a do mês anterior.

Assim, na corrida aluca para alcançar metas, gerentes e subgentes de negócios têm de apurar diariamente os resultaos de vendas e negócios de cada funcionário, e prestar contas diárias às agências e estas, as superinntendências. O Banco precisa atender as necessidades - investimentos? - do seu controlador, o groverno petista. Na pratica, os acionistas são os que menos lucram com suas ações no BB. Enquanto, os clientes - a maioria sem grau de imortância são tratados como lixo pelo Banco do Brasil. Eeste é o Brasil que está aí. Brasil que bem poderia mudar - mas, o povo não quer. Então fica o "Quanto pior, melhor" querem os petistas do governo.

   Roberto Carvalho, jornalista

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 19h43 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

Brasil, Brasil - toma vergonha.

O ex-senador e empresário Luiz Estevão - graças ao Judiciário está soltinho da silva. Condenado 12 anos de cadeia, regime fechado mais pagamento de multas milionárias por ter surrupiado milhões de reais das obras de construção do TRT de São Paulo, Luiz Estevão está em liberdade recorrendo da sentença. Êta leizinhas safadas, Judiciário sem moral. Eu, na qualidade de magistrado, para compensar isonomicamente soltaria todos os presos de minha jurisdição. Pô! Se um indivíduo que roubou milhões está solto por que os demais criminosos não estão também, não gozam desse privilégio? Que diabos de justiça é essa? Que leis são essas? Que país é este? Um pobre-diabo arranca uma casca seca de árvore apodrece na cadeia e esse ladrões roubam levam o País à miséria e ficam zombando da nossa cara? Como me sentiria parte de um Judiciário deste tipo? Brasil, Brasil, toma vergonha. 

Roberto Carvalho, jornalista

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 14h39 [ ] [ envie esta mensagem ] []

Sistema Meio Norte de Comunicação é Homenageado

em Sessão Solene no Plenário da Câmara Federal.  

Foto de Roberto Carvalho da Costa. 

 

Ao completar 30 anos no ar a TV Meio Norte, 20 anos de edição do jornal Meio Norte e 25 de transmissão da Rádio MN FM, o Sistema meio Norte de Comunicação, foi homenageado hoje, 1º de setembro, as 11hs da manhã no Plenário Ulisses Guimarães, da Câmara dos Deputados em que compareceram deputados e senadores da bancada do Piauí no Legislativo federal. A homenagem foi uma iniciativa do deputado Silas Freire que usou da palavra na Sessão Solene em homenagem ao Sistema Meio Norte de Comunicação.

A solenidade foi presidida pelo deputado Silas Freire (PI) propositor da homenagem. Além de parlamentares do Piauí, a Sessão contou com a presença de alguns deputados do Maranhão, Ceará, Rondônia onde chega o sinal da Tevê Meio Norte. Atento aos problemas do estado do PI, o deputado Assis Carvalho usou os cinco minutos de sua fala para enaltecer as potencialidades progressistas do estado, incluindo os empreendimentos do Sistema Meio Norte de Comunicação.

Tiveram presentes na solenidade os senadores Heráclito Fortes, Regina Sousa, Elmano Ferrer e os deputados Átila Liras, Júlio Cesar Lima, Silas Freire, Marcelo Castro; Temístocles Filho deputado estadual presidente da Assembleia Legislativa do Piauí e o governador do estado Wellington Dias. No plenário, Dias destacou a história do Grupo Meio Norte enfatizando o pioneirismo do empreendedor e político Paulo Guimarães.

O governador chegou atrasado à solenidade, afirmou que estava no TCU tratando da liberação das obras do Porto de Luiz Correia. E aproveitou para anunciar – “Conseguimos liberar as obras do porto que vão começar imediatamente”, disse. Também fez uso da tribuna, o presidente nacional da OAB, Marcus Vinícius que enfatizou a importância do Sistema Meio Norte de Comunicação para o desenvolvimento do PI. Entre outras autoridades estaduais, se fez presente, Robert John superintendente da Representação do Governo do Piauí em Brasília.

Encerrando a Sessão, falou em nome da presidência do Grupo Meio Norte, Daniel Guimarães, acompanhado da irmã empresária Lívia Guimarães. Daniel fez breve explanação do desenvolvimento e alcance social do Grupo Meio Norte na Região Meio Norte do Brasil – “As populações da Região recebem sinais de TV, Rádio, jornais do Sistema de Comunicação Meio Norte, em distantes recantos dos estados do PI, MA, CE e RO”, finaliza.            

 

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 20h17 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

 

Se está na Rede é peixe

 


Se está na Rede é peixe

 

Nem tudo que está na Rede é peixe   ----    Marina Silva está na Rede. Mas, que fique claro: não está dormindo. Ao contrário, Marina estica a Rede, faz crescer o partido que arrebanha mais e mais filiados Brasil a fora. Não custa muito e a Rede pescará fatia grande de representantes nos parlamentos municipal, estadual e federal.    

Contudo, não fico na Rede por um motivo só - embora rede seja uma entremeação infinita de comunicação e ações diversas, é um utensílio de descanso em que os nordestinos e, principalmente, os baianos gostam de dormir, tirar sesta de tarde inteira. Deveriam ter posto o nome desse partido de - Ardente. Para estar sempre ardendo fogo, cuspindo brasas em busca do melhor para o País.

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 11h34 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

 PT - Serve ensopado de índices negativos 



PT - Serve ensopado de índices negativos 

A situação do governo petista está mais difícil do que queimar gordura de barriga. Mas diga um "petelego" que o País vai mal que a resposta não muda - "Isso é golpismo da oposição, o PSDB quer derrubar o governo, o país nunca foi tão próspero como agora e começa a citar coisas vindas do império, a crise é mundial" e repete as mesma desculpas. Para os petistas não há, nunca houve corrupção ou roubalheiras nos governos Lula e nos da Dilma Rousseff.

Os escândalos de corrução noticiados na imprensa não passam de mentiras para desestabilizar o governo - "O melhor governo que o País já teve", apregoam os dirigentes do PT (Partido dos Trabalhadores). Vendo o barco Brasil afundar, a base governista no Congresso Nacional começou a debandar para outros partidos de oposição, a votar contra a irracionalidade do Executivo Federal em projetos essenciais para o País. No desespero, sem diálogo com os parlamentares da base aliada, a presidente Dilma recorreu às "Santas Benditas" líderes do Senado, como Renan Calheiros, entre outros arautos desse Casa Legislativa.

Para a empreitada de reaproximação, a presidente Dilma encarregou o vice-presidente Michael Temer para entupir a barriga de parlamentares, ministros, políticos com almoços e jantares de pratos recheados de dissabores de medidas impopulares que o governo quer jogar na responsabilidade do Legislativo revoltado. A comilança é tanta que haja estômago para digerir ensopados de índices negativos da economia, angu de caroço de uma inflação estratosférica incontrolável, amargo desemprego e um cenário sombrio como sobremesa.

Toda essa guloseima de problemas criados pelo governo é servida como escape para tentar tirar o País do caos em que se encontra. A pergunta que fica é simples - quem vai pagar os prejuízos pelos erros e descaminhos de um governo incompetente? Simples, também a resposta - nós, otários que elegemos e reelegemos políticos sem competência para nos governar. E pior é constatar que fizemos isso - agora sofrer calado mais três anos - por cestas básicas, bolsas 'miséria' famílias e mentiras populistas conhecidas de toda a população no Brasil.

 

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 15h08 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

 

“Pátria educadora” da Dilma é 60º entre 76 países

Asiáticos são os primeiros no Mundo

                         No ranking mundial de educação da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado hoje 13/05, a “Pátria educadora” anunciada pela então candidata Dilma Roussef figura no 60º lugar na lista de 67 países pesquisados. O primeiro lugar é de Singapura, a segunda posição é ocupado por Hong Kong e Coreia do Sul.  Ocupando a 60ª posição, na rabeira da tabela, o Brasil acompanha nações africanas que vivem em guerras, ou são castigados por desastres naturais. No último lugar no fim da lista Gana é o pais africano onde foi constatada a pior qualidade de educação no Mundo.

Para Andreas Schleicher, diretor da OCDE _ “Os índices apontados no relatório servem de parâmetros de educação de países, e mostram ganhos econômicos que uma nação terá a longo prazo”. O primeiro lugar que Cingapura ocupa na lista é um exemplo de superação, eficiência educacional. O país asiático já registrou altos níveis de analfabetismo na década de 60, atualmente é visto como um exemplo de que o progresso educacional é possível quando há determinação específica direcionada à educação.

Analisando o nosso sistema educacional, pedagógico – não precisa ser catedrático para entender os por quês do fracasso da educação no país. No setor privado prosperou o mercenarismo, seja o comércio de ensino em todos os níveis. Expandiu-se a indústria de diplomas de cursos superiores – com o seguinte binômio: eu finjo que estudo e tu finge que ensina. Os estabelecimentos particulares de ensino no Brasil são comandados por uns tais de “mantenedores” dessas instituições alheios à qualidade do produto que vendem. Ninguém sabe ao certo ondem vivem, residem os tais mantenedores que recolhem o dinheiro arrecadado das mensalidades e aplicam em negócios fora do ramo de ensino. Quanto ao ensino público, dispensa comentário – não há estruturas físicas: escolas decentes, material didático, recreativo, professores qualificados e valorizados. Esta é a “Pátria educadora”, que temos. O resto é discurso de campanha eleitoral. 

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 12h59 [ ] [ envie esta mensagem ] []

 

João Vaccari Neto, na CPI da Lava Jato

Vaccari negou todas as acusações aos parlamentares na CPI

Olhei no olho, na barba do senhor Vaccari Neto arrecadador de propina para o PT e pude ver o quanto há de cinismo, desfaçatez em seu deslavado modo de mentir, negar a prática de roubar, lavar dinheiro para o partido e para enriquecer-se sem trabalhar. Recordo que num passado não muito distante, barba, bigode na cara de um homem eram garantias de moral, ética e respeito. 
Atualmente, as barbas nos queixos dos petistas indicam vagabundos ladrões a serviço da corrupção e da bandidagem. Como todos os bandidos comuns, os ladrões do PT também morrem negando envolvimento nos roubos de que são acusados. 
Negar é uma prerrogativa amparada em leis, mas petista, ao menos uma vez na vida assuma o que fez, não seja canalha - está na cara do meliante a marca do roubo. Assume, em seguida mete uma bala na cabeça e vai para o inferno em paz de consciência. 
O problema é ensinar para os petistas o que é moral, ética, consciência. É que esse pessoal “petelego” tem em regra que o Judiciário é perdulário, corrupto comprometido com quem é influente ou está no poder, daí poderia comandar esquemas de desvios de dinheiro e institucionalizar a roubalheira no País. 
Os barbudos do PT no poder escondidos atrás de vistosas barbas grisalhas acham que podem tudo - roubar e ficar impune.

 

Escrito por Roberto Carvalho, jornalista às 15h08 [ ] [ envie esta mensagem ] []